A ideia deste post é mostrar para você um pouco da história, das sacadas e das contribuições que Alan Turing deixou para nossa sociedade. Com certeza, ele foi um ser humano outlier e fora da caixa com insights que valem até hoje em nossas vidas. Conhecer sobre esses personagens que marcaram a história é uma maneira de você estudante aprender com os melhores e usar esses bizus em sua vida de universitário de 1ª viagem.

Estamos na Era Digital e precisamos nos adaptar rapidamente às mudanças. Uma forma legal de fazer isso é pelo benchmarking. Essa é uma técnica muito usada pelas empresas até hoje. Você se aproxima de profissionais ou empresas considerados referência e tenta aprender com eles. No caso deste artigo, vamos fazer isso com o Alan Turing. Ficou interessado? Então, venha comigo e boa leitura!

Uma biografia resumida de Alan Turing

Bom, a ideia aqui é fazer uma timeline sobre os fatos mais importantes da vida do Alan Turing. Depois, eu vou te mostrar 3 motivos para você se espelhar nele. No final, eu mostrarei pra você as 4 maiores contribuições do nosso amigo Alan deixou para a sociedade. Ao longo do artigo, eu colocarei figuras, exemplos e até palavrões para você entender o texto e não ficar entediado.

Alan Mathison Turing nasceu em 1912 na Inglaterra e teve uma infância bem rígida, religiosa e tradicionalista. Papai e mamãe eram bem linha dura e exigiam muito do pequeno Alan. Desde muito novo, ele já mostrava interesses pela matemática, raciocínio lógico e ciências da natureza.

Com 15 anos, Alan já conseguia resolver problemas de álgebra difíceis sem a ajuda dos professores. Um detalhe: ele ainda não havia estudado matérias de cálculo na escola. Aos 16 anos, Alan Turing conheceu Christopher Morcom por quem se apaixonou. Sim, ele era homossexual em plena época das grandes guerras mundiais. Em 1930, Morcom morreu 🙁

Christopher Morcom
Christopher Morcom

No ano de 1931, Turing se formou em Matemática como aluno destaque na Universidade de Cambridge. Nesse meio tempo, Alan estudou pesado para criar uma máquina capaz de resolver qualquer problema de matemática. Nasciam então os algoritmos e a lógica de programação. Depois disso, Alan desenvolveu a famosa Máquina de Turing, um protótipo do que hoje chamamos de computador.

Entre 1940 e 1941, Alan Turing foi contratado pelo governo inglês e conseguiu decifrar os códigos usados pelos nazistas para se comunicarem. E foi assim que a Alemanha perdeu a Segunda Guerra…

No ano de 1952, Alan enfrentou um processo criminal por sua homossexualidade. Ele se ferrou, perdeu o emprego no Laboratório Nacional de Física do Reino Unido, foi condenado, humilhado em público, perseguido e ainda sofreu uma castração química com injeções de hormônios femininos. Em 1954, Alan Turing morreu aos 40 e poucos anos por envenenamento.Veja agora os 3 motivos para você se espelhar no nosso amigo Alan e aplicar essas dicas na sua vida de estudante.

1. Papai da computação

A computação teve um papai tímido, jovem, mirradinho e que participou da Segunda Guerra sem usar armas. Alan Turing conseguiu decifrar a lógica dos códigos usados nas mensagens da Alemanha do Hitler. Com isso, a Inglaterra conseguiu abater muitos submarinos alemães e se preparar para o Dia D. Criptografia, meu amigo! O filme de 2015 O Jogo da Imitação conta com mais detalhes e efeitos especiais esse capítulo da história mundial.

Alan foi um dos pioneiros da inteligência artificial também. Ele criou o Teste de Turing para identificar se um computador era inteligente ou não. Depois disso, Alan Turing desenvolveu o Colossus. Um computador gigante do tamanho de uma sala que conseguia processar várias instruções. Na época, isso era coisa de outro mundo. Esses projetos contribuíram muito para que hoje você tenha um smartphone ultra rápido com vários giga de memória RAM.

Colossus
Colossus

2. Antifrágil

Essa é uma palavra criada pelo escritor Taleb. Se você quiser conhecer um pouco mais sobre esse libanês com textos inteligentes e sacanas, confira este post. Antes de você entender o que é antifragilidade, eu vou te explicar o que significa frágil, resiliente e antifrágil. A próxima imagem já dá uma ideia. Nos próximos parágrafos, eu darei exemplos e detalhes.

antifragilidade
antifragilidade

Frágil é tudo que sofre com volatilidades. Muito estranho ainda, né? Pense em uma pessoa então. O cara frágil é alguém muito sensível que não sabe lidar com imprevistos. Em geral, as pessoas frágeis são acomodadas, odeiam mudanças e morrem de medo de perder a vidinha tranquila e medíocre. Pois é, tem muita gente frágil vitimista por aí.

As pessoas resilientes aguentam o tranco. “firme e forte na luta” é a frase delas. Estão sempre prontos para novos desafios. Se te chamarem de resiliente, entenda como um elogio. Você é um estudante desenrolado e cascudo.

Antifrágil… ufa \0/… Esse é o Alan Turing! Ele viveu exatamente no auge das guerras mundiais, regime políticos extremistas, genocídios e preconceitos sociais. Bom o estudante antifrágil se dá bem no meio da bagunça, caos e desordem. Isso mesmo, antifragilidade é você se dar bem em contextos desfavoráveis. No caso do Turing, ele entrou para a história e deixou um legado que dura até hoje. Conheço poucas pessoas que fizeram isso. Maluco, neh?

3. Ideias “evergreen”

???????? Que porra é essa, Pedro? Ever green significa para sempre verde, duh. Esse termo é bem famoso entre os blogueiros gringos e se refere aos conteúdos tão bons que duram para sempre. No caso do Turing, ele deu vida para várias ideias “verdes para sempre”. O cara desenvolveu tanta coisa top que conseguiu mudar os rumos da economia mundial, da política e das rotinas da sociedade. Só isso!

Bom, ele foi uma criancinha que sacava muito de matemática, álgebra e lógica. Ele cresceu, se formou e deu os pontapés iniciais para a criptografia, lógica de programação, codificação binária, números octais, processamento de instruções, teoria da complexidade e arquitetura de computadores. Tá bom, um monte de termo técnico que quase ninguém entende. Ok, veja os resultados no próximo parágrafo.

Se não fosse o Alan, hoje você não teria um notebook, um celular com câmera para por fotos no Instagram, um perfil no LinkedIn e uma rede wi-fi para ler textos de gente louca na interet (rs). Todos esses anos intensos de pesquisa acadêmica e de projetos para a 2ª Guerra contribuíram para o progresso da medicina, da logística, das telecomunicações e do bem-estar social. Sim, nosso amigo Turing já fazia Transformação Digital no século passado. Veja agora as 4 contribuições mais notáveis desse fora da curva.

3.1 Teoria da computação

No ano de 1928, David Hilbert desafiou Turing para resolver o Entscheidungsproblem. O nome é estranho mesmo. A ideia era descobrir a lógica por trás das frases usando métodos mecânicos (entenda-se: computadores). Bom, esses estudos sem sentido para 90% da população deram origem aos algoritmos. A base dessas pesquisas usava os conhecimentos sobre funções matemáticas (sim, aquilo que você viu no ensino médio).

Entre 1935 e 1937, Turing melhorou esses métodos e conseguiu fazer os computadores da idade da pedra somarem, subtrair, dividir e multiplicar. Hoje, isso se chama calculadora (rs). Os resultados dessas pesquisas se consolidaram na Máquina de Turing. Essa “maquininha” é a base da lógica de programação e da arquitetura dos hardwares.

Entscheidungsproblem
Entscheidungsproblem

3.2 Criptoanálise

Depois de se formar em Cambridge, em 1938, Turing virou “servidor público” meio período do Governo da Inglaterra. A tarefa dele era decifrar códigos. Fácil, neh? Só vale lembrar que o mundo estava em guerra contra a Alemanha. Os amiguinhos do Hitler criaram um negócio chamado Enigma, um trambolho gigante para embaralhar as instruções enviadas aos militares.

Só que a Polônia tinha uns matemáticos fodões que conseguiram quebrar esses códigos secretos até então. Aí, nosso amigo Turing conseguiu replicar e generalizar essas ideias da notação polonesa por meio da estatística. E nesse meio tempo, a Alemanha só se fodeu. Alan projetou um computador para automatizar descodificação dessas mensagens: a máquina Bombe. Nasce então a criptoanálise, mamãe da criptografia e vovó dos cadeados de segurança que aparecem em alguns sites na internet.

3.3 Redes Neurais

Em 1947, Turing tirou um ano sabático e se interessou pelo assunto “cérebros artificiais”. Não é um assunto lá muito atraente para um pessoa considerada normal. A ideia dele era criar cérebros fake treinados para a realização de tarefas repetitivas. É a mesma lógica usada hoje para quem (secretamente) compra seguidores falsos para curtir e comentar as suas fotos no Instagram. É tudo de mentirinha.

Esses estudos deram origem às redes neurais: sistemas automáticos, mecânicos e complexos capazes de aprender a executar instruções. A ciência evoluiu e mais um tema virou moda, inteligência artificial. Com isso, nasceu também o Teste de Turing que serve para identificar se um comportamento é de um humano ou de um computador. Aquele Captcha que aparece em um monte de site de e-commerce por aí pegou uma colinha do nosso amigo Alan Turing.

Teste de Turing
Teste de Turing

3.4 Morfogênese

Esse assunto é meio complexo, mas vamos lá. No ano de 1951, Turing tentou fazer modelos matemáticos para fenômenos bioquímicos. Sim, ele tentou traduzir em números os eventos que afetam o funcionamento do corpo humano, dos animais e dos ecossistemas. Polimatia total! O cara saiu da lógica computacional para a biologia. Daí, ele começou a questionar os padrões da natureza como: os desenhos das escamas, o formato das conchas, as listras em zebras e as pintas das onças (rs).

Ele também se interessou por outro evento curioso: o aparecimento dos números da série de Fibonacci e da razão áurea em seres da biologia. Número de ouro, proporção áurea, secção áurea, proporção de ouro… Tudo é a mesma coisa para uma constante da álgebra irracional que tenta explicar o formato das colmeais, os ossos dos nossos dedos e outras ordens de crescimento da natureza. Nessa área, Turing também deixou contribuições. O problema é que a morfogênese ainda é um tema bem complexo e muitos estudos não são tão conclusivos.

Muito bem, essas são as 4 contribuições mais relevantes para os dias atuais. Veja agora 3 livros se você tiver interesse em se aprofundar um pouco mais na história do Alan Turing.

A morte e a vida de Alan Turing: Um romance é um livro de leitura mais tranquila que romantiza um pouco mais os fatos relevantes da vida dele. A história é contada na visão de um detetive. The Imitation Game: Alan Turing Decoded é um livro legal se você quer treinar seu inglês na parte mais tech. Por fim, Alan Turing: The Enigma também é um book em inglês. Essa é versão escrita do filme que eu falei no início do artigo.

Muito bem, essas são as principais informações que todo jovem deveria conhecer sobre o Alan Turing. Eu sei que o artigo ficou enorme, mas a ideia é te fazer pensar e te entreter com fatos e insights interessantes para a sua vida de universitário. Se você chegou até aqui, parabéns 🙂 Aprender com quem é melhor do que a gente é usar a inteligência relacional. Você pode me seguir no Insta para ter acesso a mais conteúdos legais e de graça. Se você gostou deste artigo, então compartilhe com os seus amigos.

Pedro Londe

Pedro Londe

Um brasileiro apaixonado por tecnologia e inovação que adora questionar os padrões impostos pela nossa sociedade. Gosto de escrever sobre assuntos complexos e quero que você enxergue nos estudos uma forma de evoluir na sua vida.

Deixe uma resposta

Wow look at this!

This is an optional, highly
customizable off canvas area.

About Salient

The Castle
Unit 345
2500 Castle Dr
Manhattan, NY

T: +216 (0)40 3629 4753
E: hello@themenectar.com

Fique por dentro das melhores novidades sobre tecnologia e inovação

Receba conteúdos inéditos no seu email