A ideia deste post é falar um pouco mais sobre o modelo de negócios do iFood. O objetivo é que você possa salvar esse texto nos seus favoritos e usá-lo como fonte de consulta sempre que precisar. Em tempos de coronavírus, os aplicativos de entrega de comida se tornaram um grande aliado das famílias, empresas e universidades.

O covid-19 causou uma disruptura na logística de vários negócios. Dentre esses, o ramo de alimentação vivenciou mudanças bem fortes. Como se adaptar a esse novo cenário? Quais restaurantes sairão do mercado? Como atender às demandas reprimidas do mercado?

Sim, o cenário econômico ficou mais complexo do que já era. Logo, precisamos analisar como a tecnologia vai de fato conciliar as demandas sociais, financeiras e HUMANAS. Vamos entender como o iFood atua nesse processo.

O app vermelho iFood

O ícone vermelho do iFood já é um velho conhecido nos smartphones dos brasileiros. Quem nunca pediu um lanche de madrugada ou um almoço por pura preguiça de ir até um restaurante? Nesse ponto, eu me enquadro como o gordinho da lancheira que conhece todas as hamburguerias de Brasília 🙂

O fato é que o app iFood já é parte da rotinas dos brasileiros. Por quê um simples programa de celular mudou os nossos hábitos e rotinas alimentares? Existe toda uma ciência, neuromarketing e até Sexy Canvas por trás disso.

Sabe aquela preguicinha de ir até o restaurante? Sim, os criadores do iFood sabem e exploram esse pecado capital dos seres humanos. Eles vendem comodidade. Bastam alguns cliques para a sua janta (no meu caso hambúrguer com cheddar) chegar depois de mais um dia insano de trabalho e de muito café.

Veja agora os 3 fatos relevantes sobre o modelo de negócios do iFood.

1 – Startup tupiniquim

Sim, o iFood é um negócio brasileiro de delivery de comida. Isso mostra a importância dos nossos governantes, doutores e pesquisadores estimularem a inovação e a competitividade do mercado. Não adianta, o surgimento de startups unicórnios e tecnologias exponenciais dependem de ecossistemas integrados entre universidade, empreendedores e população.

bolsa ifood

O foco do iFood é a logística em alimentação. Essa empresa nasceu em 2011 de uma ideia entre os sócios Eduardo Baer, Guilherme Bonifácio, Patrick Sigrist e Felipe Fioravante. O negócio cresceu e hoje lidera no ramo de entrega de comida pela internet na Argentina, México e Colômbia.

2 – Foodtech de inovação

As foodtechs são empresas que juntam tecnologias com foco nas demandas do mercado de alimentação. A ideia é gerar praticidade e comodismo para os clientes, fornecedores e donos de restaurantes. Este é um mercado amplo com várias áreas pouco exploradas. Existem vários nichos específicos com poucos players atuantes.

O iFood tem parcerias com os grupos do Jorge Paulo Lemann da Ambev, com a JustEat (empresa de pedidos online no mundo todo), com a Movile (líder em marketplaces móveis) e com a RestauranteWeb. É relevante você enxergar o mercado e a economia não como um ambiente hostil e predatório…

Sim, a competição existe e os mais adaptados terão os melhores resultados. Mas, como um ecossistema cada vez mais hiperconectado onde todos possam atuar. A questão não é como lucrar e sim como eu posso agregar valor à vida das pessoas e às demandas do mercado.

3 – Robotização

Harari não estava errado. Os robôs já fazem parte das nossas vidas. Isso é a sociedade 5.0. Os tempos pós-modernos chegaram e precisamos nos adequar a esse novo cenário. O momento é de entender como as novas tecnologias funcionam e mudam a logística de toda uma sociedade.

No caso do iFood, os veículos elétricos entregarão a sua comida em breve. O nome do projeto é iFoodHubs. Essa é uma parceira com a empresa tech Synkar, uma especialista em inteligência artificial e geolocalização.

Todos os exemplos mostrados neste post confirmam a importância de um mundo cada vez mais hiperconectado e integrado. O individualismo das pessoas só nos mostrou ao longo do tempo como as sociedades e comunidades ficaram doentes e sem credibilidade. Não precisamos repetir os erros históricos do passado, não é mesmo? Sejamos aliados da tecnologia e não reféns dela.

Muito bem, esses são os 3 fatos relevantes sobre o modelo de negócios do iFood. A ideia aqui é te fazer pensar e te entreter com fatos, tecnologias e dicas úteis para a sua vida de eterno estudante.

Se você chegou até aqui, muito obrigado pela sua atenção. Você pode me seguir no Instagram para ter acesso a mais conteúdos sobre inovação de graça. Deixe aqui o seu comentário.

Pedro Londe

Autor do livro “O que diabos é Gig Economy?: Como ter várias fontes de renda e aproveitar ao máximo todas as suas habilidades“

Pedro Londe

Pedro Londe

Um brasileiro apaixonado por tecnologia e inovação que adora questionar os padrões impostos pela nossa sociedade. Gosto de escrever sobre assuntos complexos e quero que você enxergue nos estudos uma forma de evoluir na sua vida.

Deixe uma resposta

Wow look at this!

This is an optional, highly
customizable off canvas area.

About Salient

The Castle
Unit 345
2500 Castle Dr
Manhattan, NY

T: +216 (0)40 3629 4753
E: hello@themenectar.com

Fique por dentro das melhores novidades sobre tecnologia e inovação

Receba conteúdos inéditos no seu email