A Google é um case de transformação digital que todo estudante deveria conhecer. É importante explorarmos um pouco mais as curiosidades e insights das empresas que causaram inovações disruptivas no mercado. Veja agora 6 coisas que poucas pessoas sabem sobre a história do Google Chrome.

O Google Chrome é aquele navegador que uma hora ou outra você vai usar. Sim, a Google está por todo lado e conseguiu entrar na rotina de milhares de pessoas no mundo inteiro.

“Pergunte ao Google…” “Dá uma Googleada no assunto…” Essas expressões são um sinal da onipresença da Google e do navegador Chrome.

Indo mais a fundo na história do Google Chrome

Bom, tudo começou lá em 2008 quando a computação em nuvem era só projeto universitário, os smartphones engatinhavam e a internet das coisas era algo muito futurista.

Os motores de busca já existiam e os navegadores web estavam a todo vapor. Só que a renderização de páginas era uma demanda complexa para a época. É aí que entra o WebKit.

1 – WebKit

O WebKit era um motor de renderização que rodava por trás dos navegadores de internet como o Chrome. Era um programa escrito em C++ com KHTML. Já o KHTML era um projeto da KDE Linux para conseguir render o máximo de páginas web possíveis.

Sim, a experiência do usuário sempre foi uma demanda prioritária desde 2008. Nisso, a Google aproveitou o componente WebCore do WebKit e o incorporou à versão 28 do Chrome junto com o JavaScript V8.

2 – Chromium

Em paralelo ainda em 2008, a Google mantinha um projeto de sofware livre pela Google Code. A ideia era criar um navegador web de código aberto, o Chromium.

O navegador Chromium é bem conhecido entre os programadores, DBAs e administradores de redes. A pegada foi criar um design de interface mais minimalista.

Um app leve e super rápido. Se o seu smartphone de hoje é veloz, você deve mandar um salve para os desenvolvedores do Chromium 🙂

3 – ChromeOS

Os trabalhos e subprodutos gerados pelo navegador Chromium encorajaram a criação de um sistema operacional. Em 2009, o ChromeOS “nasceu”.

Para os leigos em tecnologia, os sistemas operacionais são um programa com vários outros mini programas dentro.

Os sistemas operacionais estão por toda parte. O iPhone usa o iOS, os PCs da Microsoft usam Windows, os caixas eletrônicos usam Unix e por aí vai. O sistema operacional é o cérebro das tecnologias e apps.

O ChromeOS é um sistema operacional de código aberto (open source) baseado em Linux para netbooks (lembre-se de que estávamos em 2009 eheheh) e notebooks.

O programas open source são legais para você entender como é uma tecnologia por dentro. Não é um só monte de códigos coloridos, tem toda uma lógica de programação embutida.

4 – HTML5

Estamos em 2010, o ano que o Flash morreu. Mas quem é Flash, Pedro? Flash Player era o padrão de vídeos nas páginas web. Sabe quando você baixava um clipe no Kazaa ou vídeo do YouTube? Pois é, a maioria dos arquivos vinham no formato Flash.

Aqueles sites infantis com várias animações interativas também usavam Flash. Só que esse padrão tinha várias falhas e brechas de segurança, um prato cheio para usuários duvidosos.

Com isso, o HTML5 ganhou força. A ideia, de novo, era melhorar a experiência de navegação dos usuários. O HTML5 cobriu as brechas e bugs do “finado” Flash e se tornou o novo padrão de animações nas páginas web.

5 – WebGL

WebGL é um renderizador gráfico com aceleração de hardwares para exibir imagens em 3D nas páginas web. Essa API surgiu em 2011 e veio da linguagem de programação JavaScript.

O WebGL é um “filho” do elemento Canvas do HTML5 que falamos agora há pouco. A pegada do WebGL é permitir imagens cada vez mais perfeitas e realistas na tela do seu navegador. O full HD da sua televisão não surgiu por acaso…

6 – Chrome Instant

Sabe quando digita alguma coisa no navegador e aparecem várias sugestões de busca? Essa funcionalidade de autocompletar tem um pé lá no Chrome Instant.

O autocompletar do Google
O autocompletar do Google

O Chrome Instant foi uma funcionalidade criada em 2011 para você já conseguir visualizar o site ao digitar a URL. Mais uma vez, experiência de navegação do usuário. Com isso, você cria programas, redes sociais e apps viciantes que impregnam na rotina das pessoas.

Bom, você pode perceber que as tecnologias de softwares WebKit, HTML5, ChromeOS, Chromium e WebGL fazem parte da história do navegador Google Chrome do seu note ou smartphone.

É importante você se lembrar que as inovações e ecossistemas digitais são o conjunto de vários mini programas e funcionalidades menores.

Hoje em dia, o Google Chrome tem uma concorrência feroz com os navegadores Opera, Internet Explorer, Microsoft Edge e Mozilla Firefox. É dessa forma que as tecnologias surgem e somem. O mais importante é você entender a dinâmica dessa lógica.

Muito bem, essas são as 6 coisas que poucas pessoas sabem sobre a história do Google Chrome. A ideia aqui é te fazer pensar e te entreter com fatos, tecnologias e dicas úteis para a sua vida de eterno estudante.

Se você chegou até aqui, muito obrigado pela sua atenção. Você pode me seguir no Instagram para ter acesso a mais conteúdos sobre inovação de graça. Deixe aqui o seu comentário.

Pedro Londe

Autor do livro “O que diabos é Gig Economy?: Como ter várias fontes de renda e aproveitar ao máximo todas as suas habilidades

Pedro Londe

Pedro Londe

Um brasileiro apaixonado por tecnologia e inovação que adora questionar os padrões impostos pela nossa sociedade. Gosto de escrever sobre assuntos complexos e quero que você enxergue nos estudos uma forma de evoluir na sua vida.

Deixe uma resposta

Wow look at this!

This is an optional, highly
customizable off canvas area.

About Salient

The Castle
Unit 345
2500 Castle Dr
Manhattan, NY

T: +216 (0)40 3629 4753
E: hello@themenectar.com

Fique por dentro das melhores novidades sobre tecnologia e inovação

Receba conteúdos inéditos no seu email